Sniper de Questões - Resumov

#047 Por que seguir a curva de esquecimento de Ebbinghaus é besteira (e o que fazer?)

June 22, 2020 Susane Ribeiro
Sniper de Questões - Resumov
#047 Por que seguir a curva de esquecimento de Ebbinghaus é besteira (e o que fazer?)
Chapters
Sniper de Questões - Resumov
#047 Por que seguir a curva de esquecimento de Ebbinghaus é besteira (e o que fazer?)
Jun 22, 2020
Susane Ribeiro

O experimento de Ebbinghaus mostra como perdemos memórias, mas não como deve ser a revisão. Você vai descobrir: 
1 como foi o experimento de Ebbinghaus
2 o que ele descobriu 
3 o que não vale para outros assuntos
4 o que vale (os princípios da memorização) 

Aproveite para se aprofundar sobre técnicas de memorização no Sniper de questões 
  https://www.sniperdequestoes.com.br/
- Use o cupom RESUMOV nos cursos online
- Professor Ferretto, Imaginie, projeto redação, gabaritageo, se liga nessa história - cupom RESUMOV 
- Sniper de questões 
  https://www.sniperdequestoes.com.br/

Show Notes Transcript

O experimento de Ebbinghaus mostra como perdemos memórias, mas não como deve ser a revisão. Você vai descobrir: 
1 como foi o experimento de Ebbinghaus
2 o que ele descobriu 
3 o que não vale para outros assuntos
4 o que vale (os princípios da memorização) 

Aproveite para se aprofundar sobre técnicas de memorização no Sniper de questões 
  https://www.sniperdequestoes.com.br/
- Use o cupom RESUMOV nos cursos online
- Professor Ferretto, Imaginie, projeto redação, gabaritageo, se liga nessa história - cupom RESUMOV 
- Sniper de questões 
  https://www.sniperdequestoes.com.br/

Eu vejo muita gente falando sobre curva de Ebbinghaus e como precisa ser o cronograma de revisão e fico me perguntando se as pessoas sabem o que foi o estudo de Ebbinghaus? Qual a relação dos estudos de hoje? De uma matéria como biologia, história, física e é isso que vamos falar hoje. O que o estudo de Ebbinghaus pode nos ensinar? E o que não pode nos ensinar? Ou seja, o que ele não está falando o que a gente precisa fazer.

        Antes disso, se você não conhece o Sniper de Questões, ele está com as portas abertas para você aprender a estudar da melhor forma, como estudar cada matéria, qual a análise de incidência, ou seja, quais são os assuntos mais importantes e os que mais caem e os mais importantes pelo T.R.I para o ENEM, FUVEST, para os principais vestibulares do Brasil, entre no Sniper Simplifica do meio do ano, lá nós analisamos a estratégia de prova, quais matérias priorizar para o ENEM e depois como montar uma estratégia para matemática, como grupos de assuntos, grupos 1, 2 e 3, para você aprender o mais importante, os assuntos mais fáceis que caem mais, o link está na descrição.

        A ideia do Ebbinghaus é o seguinte, é um alemão e pensou ‘’quero estudar memória’’ eu quero entender como é o esquecimento, como realmente eu aprendi um assunto e ele pensa ‘’como eu posso fazer um experimento para testar a memória?’’ E pensou ‘’não pode ter significado, não posso decorar coisas que vão ser diferentes, por exemplo, eu não posso decorar frases ou coisas com sentido , é melhor eu fazer um experimento para decorar coisas sem sentido, porque eu vou entender a memória de uma forma isolada, sem outras interferências.

        Então fez um experimento com sílabas, onde criou sílabas em alemão, sem sentido para decorar, por exemplo, CEF WOL GEQ. E qual a ideia? Ele pega dezenas de sílabas, visto que, a ideia é decorar estas sílabas na ordem e vai estudando, coloca uma sessão de estudos em que ele tem que aprender essa lista de sílabas, sem sentido, o importante é usar palavras sem sentido. Não poderia usar OMO, GOL, SOL, não é essa ideia, porque você poderia relacionar OMO e SOL, vai limpar o SOL ou GOL vai limpar a bola.

        A ideia é ser sem sentido para você, é isolar o aprendizado mesmo, sem imaginação, sem outras estratégias de memorização. Depois de estudar essa lista, ele se testava em vários períodos de tempos, ou melhor, 20 minutos depois, 1 hora depois, 1 dia depois e via como variava o esquecimento e é isso que é legal do experimento dele, é entender como é a curva do esquecimento, como ela cai, então, não quer dizer que para você que o seu maior esquecimento vai ser 20 minutos depois de aprender, porque você não está estudando sílabas, você está estudando coisas que fazem sentido e quando estudamos coisas que fazem sentido, a gente não esquece tão rápido.

        A gente precisa ver o estudo dele como ‘’decoreba’’ de sílabas e não a história do Brasil, a história do séc. XX, são coisas diferentes, onde vamos analisar o que ele descobriu. Ele plotou esse esquecimento com base no tempo e viu que, o esquecimento logo depois do aprendizado é o maior, digamos que você estuda hoje àquelas sílabas, é hoje que ele vai esquecer a maior parte, então logo depois do aprendizado, o esquecimento é maior, mais intenso e é como se caísse bastante o aprendizado, é uma linha indo para baixo mesmo, um avião indo com o nariz para o chão e depois vai ao esquecimento mais lento, o avião não está mais para baixo, ele volta a planar um pouco.

        O esquecimento no começo é maior, mas conforme os dias passam, ele vai ser mais gradual, essa foi a ideia dele e a partir disso, tem pessoas que falam na internet que você tem que fazer uma revisão imediatamente após o estudo, revisão um dia depois, sete dias depois, 20 dias depois e você fica ‘’tá, mas eu só vou fazer revisão, porque não dá para continuar o assunto e ao mesmo tempo fazer essas tantas revisões’’, porque pela curva de Ebbinghaus em 2 dias você esquece 70% do que estudou, onde você iria querer revisar ao máximo possível e com pessoas falando na internet que você tem que seguir essa curva, porque é muita revisão.

        É difícil até avançar na matéria, já que ocorre esse esquecimento tão intenso em 2 dias, mas a verdade que isso não é assim, então teve estudo com estudantes universitários, que estavam fazendo um curso de psicologia, é um estudo do Cornell, de 1992, e que eles fizeram uma prova 3 anos depois do curso e eles viram que os estudantes esqueceram somente 30% dos fatos e esqueceram muito pouco depois disso, então quando decoramos coisas com sentido, você não esquece tão facilmente, quanto mais sentido, quanto mais significado, quanto mais inter-relacionado for essa informação, mais você vai conseguir lembrar depois, é até história da profundidade e do processamento, então quanto mais você processa, você explica, você vê formas de aplicar esse problema, você elabora uma construção mental, mais você vai lembrar dias depois.

        A curva de Ebbinghaus vai ser mostrar para gente o decaimento do esquecimento, não quer dizer que vai ser no mesmo tempo e tem outra coisa é que cada pessoa com a carga de conhecimento que ela tem, ela vai ter uma curva ligeiramente diferente, por exemplo, se matemática para você é muito fácil, quando você for aprender um assunto novo, você terá uma curva diferente de quem está começando a estudar, então você tem que montar um esquema de revisão para você e vão ter ideias gerais que falarei depois, mas para cada matéria, para cada pessoa vai ter que ser revisada de uma fora diferente.

        Você tem que ir sentindo e uma coisa legal sobre a revisão, talvez as pessoas não imaginem ou pelo menos eu não imaginava antes, que o momento certo para revisar, não é quando você tem tudo na cabeça, porque se você revisar nesse momento será mera repetição, vai ser memória de curto prazo, mas o legal vai ser você revisar, quando você está quase esquecendo, quando revisar é um esforço grande de isso você voltar à tona, então quando você estiver quando esquecendo é o ideal e na prática, o que vai ser isso? Quando tem um capítulo e de 10 coisas você vai esquecendo 3, 4 e as outras vocês lembram, porque se você revisar quando está tudo fresco, não terá uma série de efeitos que vão acontecer para fortalecer essa memória.

        É legal a gente esperar um pouco, não esperar ao ponto de você precisar reaprender o assunto, é um pouco complicado ou a beleza de tudo isso em que não tem uma resposta certa padrão para todo mundo, então vimos que o esquecimento imediatamente depois do estudo, no primeiro dia, nas 24 horas seguintes, é essencial, de acordo com o Ebbinghaus e quando você estuda coisas sem sentido, a primeira hora, o primeiro dia. Quando você estuda coisas com sentido, com significado, talvez não seja tão importante, você precisará fazer essa revisão no mesmo dia ou em até 24 horas, pode ser 2 dias depois, pode ser um tempo maior depois, mas é legal incluir algum tipo de método que inclui o que você acabou de ver de uma forma fluída, é o ideal, então é a ideia que eu falo de misturar listas, que foi um dos pontos abordados no podcast sobre interferência.

        Para evitar interferência é sempre deixar algumas questões para você sempre voltar, por exemplo, tem o capítulo 2, 3 e 4, depois de acabar o 4, você faz o capítulo do 2, do 3 e fica sempre variando ou se não der para fazer isso, você vai em um aplicativo de questões e seleciona ‘’ah, estudei cinemática, dinâmica, trabalho e energia’’ e pega uma 10 questões de cada. Uma coisa que achei bem legal foi outro estudo que mostra quando a gente pensa em revisão, a gente está pensando sempre em um teste, quando é esse teste?

        Dependendo de quando for esse teste, você precisa de um padrão de revisão diferente, eles mostram que a ideia entre 10% a 20% do tempo entre o aprendizado e o teste, digamos que o teste é daqui a 40 dias, onde 10% são 4 dias, 20% são 8 dias, então entre 4 e 8 dias, você precisa revisar de 6 dias, ou seja, a cada 6 dias você revisa esse assunto para sua prova, isso é legal em uma faculdade, porque você sabe mais ou menos quando será a prova e você pode ir revisando ou podem ser a cada 7 dias, sendo que você pode deixar 1 dia da semana para revisar.

        Você pode incluir espaçamento e incluir esse cronograma de revisão, quando for mais tempo, o que acontece? Por exemplo, 6 meses ou pensar em 120 dias, 10%, seriam 12 dias e 20%, seriam 24 dias, algo entre os dois para você sempre fazer, você pode fazer a cada 2 semanas, você faz um simulado dos assuntos que você já viu dessa matéria e depois, as próximas revisões a cada 2 semanas ou mais tempo  e sempre pensar em 10% a 20% entre o aprendizado e a prova.

        Outra questão que não teve muito consenso entre os estudos que vi, não se sabe se é melhor ir aumentando o tempo entre uma revisão e outra ou se é espaçar igual, a cada 20 dias sempre ou no primeiro são 15 dias, no segundo são 30 dias, no terceiro são 45 dias, não teve um consenso para o melhor, por mais que todo mundo fale ‘’ah, não, tem que aumentar o tempo de espaçamento’’ mas eu não encontrei artigos que mostram isso, mas uma ótima forma de fazer revisão, é você fazer provas antigas, fazer simulados dos assuntos que você já viu e não esperar esses dias, mas podes fazer com frequência ou quando der.

        O segundo ponto que eu queria abordar hoje é a questão do processamento, porque o estudo de Ebbinghaus ele foi ‘’decoreba’’ de sílabas, sem significado, só que já se viu na literatura da psicologia que quando você processa mais, quando você pensa mais profundamente, você pensa o porquê disso acontecer, como isso acontece? Quando você vai estudar alguma coisa, você fixa muito mais, então lembrará muito mais e isso não tem como fazer como ‘’decoreba’’ sem sentido, porque qual o significado que vai ter ao decorar DA, DE, DI ou alguma outra coisa sem sentido?

        Mas tem um estudo bem legal que é o seguinte, imagina que você vai fazer um estudo de psicologia, eles te dão uma lista, onde tem uma lista de palavras, eu quero que você organize essas palavras em colunas, você vai e organiza as palavras nas colunas. O segundo grupo, os psicólogos falam ‘’decore estas palavras que você vai ganhar algum prêmio quanto mais palavras você acertar’’ e, para o terceiro grupo, os psicólogos falam assim, faça colunas e organize essas palavras por significado em cada uma dessas colunas e nessas palavras vai ter maçã, macaco, cadeira e terão várias coisas que você pode separar por significados.

        Digamos que vai ter o animal, comida, objetos e esse terceiro grupo vai ter que organizar as palavras em colunas, ou seja, terão esses três grupos e depois os psicólogos têm uma surpresa, todos os grupos vão fazer uma prova e ver quantas palavras eles decoraram. O primeiro grupo que só organizou as palavras sem pensar em nada, na ordem do texto não aprendeu quase nenhuma palavra, então teve um desempenho muito ruim, mas o grupo que precisava decorar e o grupo que organizou por significados tiveram o mesmo desempenho e esse estudo já foi refeito várias vezes e sempre chegam na mesma conclusão.

        Então você ter seu esforço de decorar é a mesma coisa do que você organizar por significado, você processar aquilo que você está tendo com significado, eu acho super fantástico e é uma coisa que o estudo de Ebbinghaus ele não leva em consideração, porque eram sílabas sem significados e é legal esse estudo porque você vê que o grupo que tinha intenção de aprender, de decorar as palavras teve o mesmo desempenho do grupo que organizou por significados e isso é muito interessante, porque ao invés de ficar decorando, ele tinha que processar o significado que tinha que organizar.

        É como se fosse fazer um mapa mental do assunto, invés de decorar ativamente, meio repetição, vazia o outro grupo ia fazer um mapa mental relacionando diversas ideias do assunto em um estudo muito mais fluído, mais fácil e aprender a mesma coisa que está martelando na cabeça e isso em um assunto mais complexo a estratégia de processar mais profundamente, de fazer mapa mental, de organizar mesmo essas informações, é muito melhor do que decorar, do que ter só esse esforço para decorar a palavra, faltam estudos que comprovem isso.

        Quando for psicóloga cognitiva, eu faço esses estudo e conto para vocês, mas enquanto isso, eu vejo os estudos dos outros e é impressionante o que eles montam como problema, porque eu sou da engenharia e a gente monta problemas diferentes, monta qual vai ser o empuxo do motor, se a gente mudar isso no combustível, no oxidante, já os problemas de psicologia são outras coisas e é muito interessante você pensar assim, qual a nossa pergunta? Como vamos montar esse problema?

        Em memória tudo começou com Ebbinghaus, por mais que o título do episódio não tenha sido muito legal com ele, tudo começou com ele, que viu que a memória pode ser estudada, que você pode criar experimentos para avaliar a memória e isso é muito interessante, só que a única coisa que a gente não pode pegar essas conclusões dele e aplicar cegamente no vestibular ou confiar em algumas pessoas que falam para aplicar. E agora você já entendeu, porque a gente está falando de significado, quando tem significado, quando você processa o significado, você lembra mais quando decorar sílabas, por exemplo.

        Essa é a ideia do episódio de hoje, espero que tenha dado uma luz sobre a curva do esquecimento, da técnica de Ebbinghaus e uma coisa legal que a gente falou foi a questão de revisar entre 10% a 20% do tempo em relação ao teste, então se forem 180 dias entre o aprendizado e o teste, você vai sempre 15% e escolhe o número de dias ideal para você revisar e nós falamos sobre a questão de profundidade de processamento que ajuda bastante a fixar melhor, a lembrar no dia da prova. Espero que você tenha gostado do podcast, se você gostou, compartilha com algum amigo e se você escuta no itunes, deixe uma avaliação e me conte o que você achou. Muito obrigado por escutar. Tenha uma ótima semana e bons estudos.